Mensagem aos Visitantes

Gostaria de informar às pessoas que acessam este blog que a parte das informaçôes postadas neste blog são baseadas em minha experiência como diabético e em acessos a demais fontes de informação sobre o tema e, quando houver, com o link correspondente ao final de cada post. Portanto, acima de tudo, a preocupação é com a disseminação de notícias e dicas para facilitar o dia a dia do diabético.

Gostaria de lembrar também que é MUITO importante para nós que vocês votem na enquete "qual o tipo do seu diabetes?", pois poderemos ter um maior controle do público alvo que estamos atingindo.

Gostaria de avisar também que agora temos uma página dedicada para receitas diet. Acessem sempre que toda semana terá uma nova receita.

Modelo de Aplicação de Insulina

Loading...

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

CUIDADO AO DIRIGIR


      Há três fatores que merecem atenção especial: hipoglicemias, hiperglicemias e complicações crônicas.
      O tratamento do diabetes mais intensivo, apesar de reduzir as complicações crônicas está associado a uma maior possibilidade de hipoglicemias e, portanto um maior número de pessoas pode estar sujeito a esse risco, enquanto estiver dirigindo.


HIPOGLICEMIAS

      Hipoglicemias moderadas alteram a capacidade de dirigir das pessoas, alguns problemas observados são desvios de direção, guinadas, saídas da pista, excesso de velocidade, condução lenta, freadas e acelerações, conforme artigo da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego – Abramet.
      Prejuízos na direção veicular, como ultrapassagem de faixas contínuas, acelerações e freadas indevidas, já são observados mesmo com hipoglicemias leves. Em outro estudo, apresentado no Diabetes Care, em 2000, apenas 1/3 dos indivíduos estudados, trataram sua hipoglicemia ou pararam de dirigir, ao sentirem os primeiros sinais.
      É importante ressaltar que, muitas vezes, embora o paciente não esteja percebendo a hipoglicemia, sua capacidade de responder a direção já pode estar comprometida.
      Com a chegada dos análogos de insulinas de longa e ultra-rápida ação, a incidência de hipoglicemias diminuiu, mas ainda o mais importante é quem conduz o veículo e o cuidado que tem quando entra no carro. Um grande aliado na detecção de hipoglicemias é a monitorização contínua de glicemia. Mas, não pensem que apenas quem usa insulina precisa se preocupar em verificar a glicemia antes de dirigir. Também as pessoas com diabetes tipo 2 em uso de hipoglicemiantes orais podem vivenciar hipoglicemia durante a direção.
      Procure monitorar a glicemia antes de dirigir, tenha sempre reposição de carboidrato com você e aprenda a detectar, sempre que possível, os sinais precoces de uma hipoglicemia.


HIPERGLICEMIA

      Quanto à hiperglicemia, tanto a crônica quanto a aguda, também podem favorecer a perda da capacidade cognitiva e, portanto diminuir a capacidade de resposta às situações durante a direção de veículos, embora em alguns estudos esse quadro não se confirme.
      As complicações crônicas como retinopatia diabética, neuropatia diabética, e doença cardiovascular podem estar envolvidas com maior risco de acidentes de trânsito. Ao sentir mal estar, dor de cabeça, suor em excesso, alteração na respiração, cansaço, fraqueza, tremores e outros sintomas, fique atento, pare seu carro e faça um teste. Fica aí a dica: use seu monitor como medida de prevenção de acidentes sempre que for dirigir.
      Hoje existem no mercado diversos fabricantes de monitores de glicemia. E não esqueça de manter suas visitas médicas atualizadas.

      Se você gostou da imagem que está no início do texto, clique nele para que ele fique maior, e depois salve a imagem. A imagem está no tamanho 1024 x 768.

Ass,
Gabriel Cruz Freitas.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

PODER OU NÃO PODER COMER AÇÚCAR???


      A sacarose (açúcar de mesa) era considerada prejudicial para a saúde dos diabéticos. Alguns médicos e nutricionistas assumiram que os açucares de amido eram absorvidos com mais rapidez. Por isso, eles pensavam que a sacarose causaria uma enorme alteração na glicose, mas não é bem assim.
Vários estudos comprovaram que o açúcar nas comidas não aumentam a glicose no sangue mais do que o amido.
      Porém, a regra ainda permanece, você tem que ver com seu médico endocrinologista e/ou nutricionista sobre como lidar com o açúcar na alimentação, pois o açúcar não esta liberado totalmente.
      Quando você escolhe comer alimentos que contém açúcar, você precisa substituí-los em seu planejamento alimentar pelos alimentos com carboidratos, ou seja, deixa de comer esses últimos.

Por,
Iara Balbino Dos Santos.

http://www.asrotulos.com.br/diabetes.htm

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

RISCOS PARA O BEBÊ PODEM SER EVITADOS

      O excesso de glicemia pode penetrar na placenta e assim afeta o feto causando sérios problemas.
      Podem dar-se malformações como a espinha bífida, malformações a nível do esqueleto, deficiências cardíacas, entre outras. Numa mãe diabética existe também um risco maior do bebé morrer durante o último trimestre, ou mesmo nas primeiras semanas depois do parto.



      Porém, com o devido acompanhamento médico antes e depois do parto e o quase obrigatório PRÉ-NATAL, quase não há perigo de complicações.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

CÃO ALERTA AJUDA NO CONTROLE DA GLICEMIA

      Além do medidor de glicemia, existe um modo mais fácil de medir glicemia: através de um cão alerta!
      A explicação dada por cientistas seria de que quando o ser humano fica hiper ou hipoglicêmico, o corpo exala um cheiro que os cães percebem. Através disso, há a possibilidade de treiná-lo para quando sentir esse cheiro, avisar ao dono de algum modo. O modo mais comum de aviso é lamber as mãos do dono ou os pés até este tomar alguma providência. Porém, o cão não é o melhor modo, pois ele não lhe dirá medida exata.
      Abaixo segue o link da reportagem do jornal da Record, que trata exatamente deste assunto, só que no caso de uma criança.

P.S.: Recomendável para crianças.

Ass,

terça-feira, 2 de novembro de 2010

CARACTERÍSTICAS DO DIABETES

      O diabetes caracteriza-se principalmente por excesso de glicose (açúcar) no sangue.
      Quando se fala de diabetes do tipo 1, não ocorre ou não é suficiente a produção de insulina ( ela transporta a glicose até as células para transformá-las em energia assim evita a hiperglicemia ( grande concentração de glicose no sangue) . No tipo 2 as células resistem à insulina.
      No diabetes do tipo 1 é necessário tomar insulina para as células possam transformar em energia. No tipo 2 apenas uma dieta e exercícios físicos e até o uso de medicamentos são suficientes.
      As recomendações para a alimentação é igual para os dois tipos, sendo necessário que os diabeticos tenham uma alimentação cheia de regras tomando cuidado com a ingestão de açúcar. Além de tudo isso é possivel ter uma vida saudável e de qualidade com algumas trocas e inserindo alguns tipos de alimentos no seu dia a dia.


Por,
Iara Balbino Dos Santos.


Mais informações aqui no site:
http://idmed.com/Nutrição/Alimentação/alimentacao-saudavel-para-diabeticos.html

Receba novidades via e-mail

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner